Aos 60 anos, mulher gera bebê para o filho casado com homem




 

“Minha mãe de 60 anos deu à luz a minha filha”.

“Quando minha sogra de 60 anos se ofereceu para gerar meu filho, eu ri. Afinal, ela não poderia. Ou poderia?” A história, real, aconteceu com o casal homossexual Elliot e Matthew.

Quando o desejo é ter filhos biológicos, a maternidade, ou melhor, nesse caso, paternidade para casais homossexuais ainda é um desafio. Mas Matthew e Elliot não só tiveram o apoio da família, como receberam uma superajuda!  Confira, abaixo, o relato dessa incrível — e comovente — história contada ao Kispot.




“Quando minha irmã decidiu doar seus óvulos para que meu marido, Matthew, e eu pudéssemos ter um bebê, estávamos na lua. A criança seria geneticamente relacionada comigo e com ele. Agora, só precisávamos encontrar alguém disposto a ser uma barriga de aluguel. A mãe de Matthew disse casualmente: ‘Oh, eu amo estar grávida! Se você está tomando nomes para candidatos, coloque meu nome no chapéu’. Nós rimos amorosamente com o gesto irrealista. Cele não menstruava há mais de uma década, mas seu apoio significava o mundo para nós.

Afinal, ela não poderia ter um bebê. Ou poderia? Em uma conversa com nosso especialista em fertilização in vitro, mencionamos o comentário casual que sua mãe fez. Matthew riu, mas nosso médico não fez isso. ‘Qualquer um pode ter um bebê se estiver saudável e tiver um útero. Tudo gira em torno da qualidade dos óvulos e, considerando que sua irmã é jovem e fértil, suas chances parecem boas. Traga sua mãe e nós poderemos ver.

Nós ficamos hesitantes. Claro, Cele estava ridiculamente saudável. Ela passou toda a sua vida se concentrando em nutrição e se exercitando com frequência. Inferno, a pressão dela era menor que a nossa! Mas ela tinha 60 anos! Então, minha sogra foi colocada em estrogênio e, pela primeira vez em anos, ela voltou a menstruação. Quando os primeiros resultados de ultrassom vieram, nos disseram: “O útero dela é lindo”. Matthew estava orgulhoso e mortificado.

A conselho de nossos médicos, decidimos transferir apenas um embrião; transportar vários bebês seria um grande risco à saúde dela. A última coisa que queríamos fazer era colocar a única mãe em risco. Em seguida veio a espera de duas semanas para ver se dava certo. Cinco dias depois, no meu aniversário de 29 anos, pedimos a Cele que fizesse xixi de qualquer maneira. Minutos depois, ela enviou um rosto carrancudo via mensagem de texto e disse: “É negativo”.

Antecipação e excitação se renderam ao pânico. Se este embrião não vingasse, o próximo daria certo? E se não esse, então seria o nosso fim? As apostas eram tão altas. Mais tarde, naquela manhã, Matthew dirigiu-se para a casa de seus pais para consolar sua mãe. Ele esperava que ela estivesse perturbada; em vez disso, ela estava estranhamente relaxada. Ela perguntou se ele queria ver o resultado da gravidez. Ele sabia que só encontraria desapontamento. Mas quando ele olhou para o teste de gravidez com a quantidade certa de luz, ele conseguiu enxergar: uma segunda linha cor-de-rosa. Talvez um bebê. Cele empurrou-o para o lado, literalmente gritando: “Cale a boca!”! Cele estava grávida. Nós estávamos grávidos. 

Com o progresso da gravidez, Matthew e eu alternamos entre pura emoção e terror. Nós conversamos sobre o quão estranho era a última vez que uma nova vida estava no útero de Cele, ela trouxe Matthew para o mundo. “Nosso filho agora compartilha a mesma casa”, eu disse. Quando descobrimos que estávamos tendo uma filha, começamos a explorar nomes. Enquanto lia um livro de memórias de Robert Thurman, fiquei comovido com a inspiração dele para nomear sua filha de Uma. Nós amamos como soava: terroso e tão poderoso, assim como as mulheres que estavam nos ajudando a trazê-la para o mundo.

FONTE: REVISTA CRESCER GLOBO



Comentários no Facebook:

Comentários

Categoria: Mundo