Luto no jornalismo brasileiro após morte de Paulo Henrique Amorim




 

LUTO

SIGA O INSTAGRAM DO JEQUIÉ URGENTE >>https://www.instagram.com/jequie_urgente/?hl=pt-br

‘Olá, tudo bem?’: a trajetória de Paulo Henrique Amorim e seus momentos controversos.

O jornalismo brasileiro perdeu nesta quarta-feira (10) um de seus nomes mais populares. Paulo Henrique Amorim, dono de um dos bordões mais imitados e com um extenso currículo, sofreu um infarte e não resistiu.




O profissional nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 22 de fevereiro de 1942, filho do também jornalista Deolindo Amorim – grande estudioso do espiritismo. Apesar de exercer a função de comunicador, Paulo Henrique se formou em Sociologia e Política.

Sua carreira começou no jornalismo impresso em 1961, no jornal carioca A Noite. Depois, foi contratado pela editora Abril como repórter e correspondente internacional, trabalhando em revistas como Realidade e Veja.

Na televisão, passou pela TV Manchete e a Globo, onde apresentou programas como o Fantástico. Ainda esteve na TV Cultura, com o talk-show Conversa Afiada – o nome foi usado mais tarde em seu blog com comentários sobre a política e economia brasileira.

Ao apresentar o Jornal da Band, em agosto de 1998, ele acusou o então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva de adquirir um apartamento e carro de maneira ilegal. O político provou o contrário e ganhou na Justiça o direito de resposta.

O apresentador também chegou a ser condenado por injúria e difamação em diversos casos. Processaram (e venceram) pessoas como o jurista Gilmar Mendes, atual ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Ali Kamel, diretor geral de jornalismo da Globo, e Lasier Martins, atual senador pelo Rio Grande do Sul.

Desde 2003, Amorim passou a trabalhar na Record TV, então Rede Record. Seu último trabalho na emissora foi a apresentação do Domingo Espetacular, programa que comandava desde 2006. No fim do mês passado, no entanto, ele foi afastado do programa.

O caso repercutiu após bastidores da área afirmarem que o profissional deixou a revista eletrônica por fazer críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro. A emissora, em nota, negou motivos políticos.

Durante sua carreira, o bordão “Olá, tudo bem?” ficou famoso e rendeu muitas imitações – aprovadas pelo apresentador, que as consideravam uma “alegria”. Paulo Henrique Amorim deixa o jornalismo brasileiro aos 77 anos.

FONTE: METRO JORNAL



Comentários no Facebook:

Comentários

Categoria: LUTO